sexta-feira, 22 de junho de 2012

Nota da Consulta Popular sobre Golpe no Paraguai



NOTA DA CONSULTA POPULAR:

TODO APOIO AO PRESIDENTE FERNANDO LUGO E AO POVO PARAGUAIO QUE SOFRE UM GOLPE DEESTADO!

A Consulta Popular, por meio da sua Direção Nacional, vem expressar a sua profunda indignação frente a mais um golpe de Estado em nosso continente.
Desde a ascensão de Fernando Lugo à presidência da república (em 2008), os setores conservadores, que dominaram o Paraguai numa ditadura que durou mais de seis décadas, inviabilizam as mudanças naquele país irmão.  O Presidente Lugo esteve todo esse tempo (desde a sua eleição) sob a ameaça de golpe, em virtude da fragilidade de apoio ao governo no congresso.
Lugo vêm sofrendo grandes dificuldades, visto que o parlamento paraguaio ainda se concentra nas mãos do Partido Colorado que tenta - numa farsa muito bem orquestrada - provocar um golpe, mascarando-o com elementos institucionais. Neste intento, arrastou para o seu lado, o PLRA – Partido Liberal Radical Autêntico, que conta com 14 representantes no congresso, o qual retirou o seu apoio ao presidente, além de aprovarem juntos (Colorados e Liberais), e numa rapidez absurda, a instauração de impeachment contra Lugo.
Vale destacar, que esses setores direitistas são intimamente ligados às oligarquias e aos latifundiários, grandes produtores de soja para exportação, dentre os quais, brasiguaios como Tranquilo Favero, o mais rico do país.

E o Golpe no Paraguai foi dado...

Estamos com Fernando Lugo!
Aconteceu. Em um prazo menor que 24 horas, o senado acaba de votar pelo golpe e derrubada do Presidente Fernando Lugo.

Momento triste para toda a América Latina combativa.

Que a resistência esteja pronta e que os demais governos progressistas e movimentos da AL se posicionem fortemente.


 Assine o Feed do Propalando para nos acompanhar.

A tentativa de golpe no Paraguai estava prevista


O cenário estava dado. Observem como a pedra estava cantada nesta reportagem do Brasil de Fato de apenas três dias atrás.
Povo na rua contra o golpe!

"Latifundiários brasiguaios querem derrubar Lugo", afirma líder camponês
Segundo Martín Almada, o latifúndio e os grandes produtores de soja brasileiros estão muito interessados em que o presidente Fernando Lugo não termine seu mandato
19/06/2012

Dario Pignotti

“Esta matança de campesinos aconteceu como resultado de um processo de violência policial instigado pelos latifundiários descontentes com o presidente Lugo, ele não é querido pela direita e pelos grandes produtores brasileiros. Latifundiários brasileiros como Tranquilo Favero, o produtor de soja mais rico de Paraguai, estão interessados em desestabilizar o governo, eles querem que Lugo caia” declarou Martín Almada, o mais importante representante do movimento dos direitos humanos paraguaio.
Onze campesinos sem terra foram assassinados na sexta-feira passada em uma fazenda próxima à fronteira com o Brasil, onde está aumentando a tensão em paralelo às reivindicações e ações diretas pela reforma agrária. O enfrentamento entre policiais e lavradores deixou sete agentes mortos, entre eles os chefes do Grupo de Operações Especiais, uma espécie de BOPE paraguaio, só que sua tarefa não é reprimir favelados como no Rio de Janeiro, mas os peões rurais que, depois que Lugo chegou ao governo, em 2008, aumentaram seu nível de organização e decisão de luta, depois de décadas de submissão diante do jugo da ditadura de Alfredo Stroessner.
“Nós sabemos por nossa longa experiência sobre como se descarrega a violência do Estado contra a população, que estes fatos nunca estão isolados de uma intencionalidade política maior. Quais são os fatores em jogo agora? O que está mais evidente é cooptar os sem terra para que deixem de desafiar o poder estabelecido no campo e, além disto, vemos uma manobra para desestabilizar o presidente Lugo. O latifúndio e os grandes produtores de soja brasileiros estão muito interessados em que Lugo não possa chegar a 2013, quando deve acabar seu mandato”, disse Almada por telefone à Carta Maior, desde Assunção.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Golpe de Estado em curso no Paraguai

Enquanto aqui nossa esquerda se divide entre os que acham Maluf bonitinho e os que acham Maluf feio e chato, a vida real acontece a todo vapor. Neste momento, por exemplo, está em curso um golpe de estado no Paraguai.

Segue abaixo declaração dada há poucos minutos por Fernando Lugo, presidente democraticamente eleito.


 Assine o Feed do Propalando para nos acompanhar.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

João Pedro Stedile na Record News


Bela entrevista do João Pedro Stedile na Record News ontem à noite.

Toca em assuntos como a crise do capital, ambientalismo, agronegócio e outros. Muita clareza!




 Assine o Feed do Propalando para nos acompanhar.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

MST apoia luta das trabalhadoras e dos trabalhadores da educação


MANIFESTO DE SOLIDARIEDADE À LUTA DOS TRABALHADORES E DAS
TRABALHADORAS DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS


Nós do MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, expressamos para toda a sociedade nosso apoio e solidariedade aos trabalhadores e trabalhadoras da educação em  uta.

Desde o seu nascimento, o MST tem lutado pela educação. Temos a convicção de que a luta  por escola, se faz, fazendo escola.

Como fruto da mobilização e luta permanente, conquistamos mais de 1500 escolas do campo.

Somos contra a política do Estado brasileiro de fechamento das escolas do campo. Para nós: Fechar Escola é Crime!

Defendemos a expansão e a interiorização da educação. No entanto, isso não pode representar a precarização educacional.

Manifestamos nossa solidariedade de classe aos trabalhadores e às trabalhadoras das
universidades federais em greve.

Nos somamos na defesa de sua justa pauta de reivindicação:
− Contra o produtivismo: Educação não é mercadoria;
− Pelo aumento de salários;
− Pela garantia do plano de carreira;
− Pela qualidade da educação;
− Pela destinação de 10% do PIB para a educação;
− Contra a apropriação do público pelo privado através da privatização indireta em curso.

A universidade pública não pode estar à serviço do capital e do mercado. A universidade deve ser um espaço de pesquisa, produção e divulgação do conhecimento.

Nos colocamos nas ruas e nas lutas ao lado dos trabalhadores e das trabalhadoras da educação.
Empunhando as bandeiras da Reforma Agrária e da Educação Pública de qualidade e gratuita, seguimos na construção de um país soberano.

“A educação não é a única alavanca para transformação da sociedade, mas sem a educação, a transformação não ocorre.” Paulo Freire

Direção Nacional do MST
Junho - 2012


 Assine o Feed do Propalando para nos acompanhar.

sexta-feira, 8 de junho de 2012