quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Fome de Tudo

Este é o título do novo CD da Nação Zumbi. Mais um trabalho da NZ que gostei muito. Impressiona-me o fato de como eles têm sido felizes na realização de CD pós CD. Tenho o costume de escutar muitas vezes para poder ter uma opinião mais detalhada. Ainda não o fiz com Fome de Tudo. Mas já vale o registro aqui.

Abaixo, um trecho da análise do sitio Gafieiras sobre o disco.

"Uma das poucas unanimidades não-burras do Brasil, a banda Nação Zumbi lança seu sétimo disco, Fome de tudo (Deckdisc, 2007), mantendo-se fiel a uma de sua máximas fundadoras: um passo à frente e você não está mais no mesmo lugar."
Para ler o texto completo, Clica aqui

Mas queria aqui também registrar a bola fora da galera. Por um texto do José Teles (texto completo segue em link mais abaixo), soube da rejeição de alguns integrantes da banda para com a disponibilização do álbum na internet. Segundo o texto, o Lúcio Maia reclama de uma suposta quebra do impacto com relação ao lançamento do disco.
Leia o texto do José Teles neste endereço aqui.

Talvez isso seja uma grande jogada de marketing, tipo o prêmio Cicarelli de Marketing, lembra? (caso contrário, clica aqui). Só espero que não reclamem da internet, como fizeram o pessoal do filme Tropa de Elite. Será que alguem poderia dizer a eles que o filme só fez esse sucesso todo POR CAUSA da internet?!? Ou eles acham que o filme é um primor de produção? Aliás, muito podre tudo aquilo. A solução pro nosso país passa beeeem longe de Tropa de Elite.


Pois bem. Quem entrar numa de brigar contra a internet e mp3s vai se dar muito mal. Devem, muito pelo contrário, aproveitar todo o potencial da rede mundial de computadores.
Há muito queria escrever algo sobre "pirataria" e internet. Continuo deixando para um outro momento.

Em tempo: Se álguem me perguntar se deve comprar o CD, eu responderei de pronto que deve assim, caso tenha disponibilidade financeira para isso. Ainda mais tratando-se de música de qualidade. Mas será que a arte deve ficar restrita apenas a quem pode comprá-la? Yo creo que no.

Em tempo 2: para baixar o cd, clica aqui.
Abraços!


domingo, 25 de novembro de 2007

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Figuras... somente!

Dessa vez optei por escrever o título da postagem primeiro. Me dei mal.
De quem quero falar, não sei se tem a cara do Recife, a cara de Olinda, a cara do centro da cidade numa segunda-feira pela manhã... E o pior é que a dúvida não pára por ai. Quando falo de Olinda eu tô falando do entardecer no alto da sé, da beira-mar e seus caminhantes as seis da matina ou do sol "rachante" ao meio-dia na famosa Ilha do Rato. Recife então... vixe!!

Muito bem, deixa eu seguir, pois como já me disse minha amiga Tatovisqui - "Ari! Tu adora resolver problema grande, mas se enrola com cada besteira!"

Isso tudo é pra mostrar um pouco uma das coisas mais características de nosso povo, da gente. Acha que tô falando das ladeiras de Olinda, das pontes do Recife, ou até mesmo das obras de Brennand??? Que nada. Estou falando do próprio povo e de que cada figura que a gente encontra por aqui.

Acho importante, e faço uma pausa para isso, ressaltar que não sou de romantizar puramente as situações e esquecer da questão social que envolve, na maior parte das vezes, a gênese de tais personagens. Aliás, queria até falar um pouco mais desta questão. Tenho lido algumas coisas interessantes sobre formação do povo brasileiro, mas deixa para um outro momento.

Para ilustrar o que estou a vomitar aqui, seguem algumas fotos:

-
Estas são do amigo Hugo Moura Melo. Recomendo fortemente a visita ao seu fotolog.
http://www.flickr.com/photos/hugomouramelo


E como não poderia deixar de ter, outra figuraça, do fotógrafo Claudio Lara.
http://www.flickr.com/photos/claudiolara/

Zé do Rádio, sim! Por que, não?


E pra finalizar, um clipe do CINVAL COCO GRUDE. Onde se destacam o próprio e as famosas figuras do Pátio de São Pedro.