sábado, 25 de agosto de 2007

Fausto Wolff

Atualização (06/09/08) - Postagem "Morre Fausto Wolff"

Deixo para vocês um texto do, disparado, meu escritor favorito. Quem me conhece um pouco mais sabe o quanto já falei do velho lobo. O conheci através da leitura sistemática que fazia do Pasquim21. Que, aliás, tive a oportunidade de ter todas as edições de uma curta vida de cento e poucas edições. Todas elas estão muito bem guardadas. Não faz tanto tempo assim, mas foi uma leitura que contribuiu sobremaneira com a minha formação como militante.

Atualmente o velho Fausto escreve para o JB do Rio.
(Iria disponibilizar para link, o sitio do Fausto, mas agora tá dando erro. Deixo a indicação para uma próxima vez)

Abraços. E boa leitura!
PS: Estou em final de período na Universidade, daí a pouca dedicação à estruturação de postagens mais elaboradas. Assim que entrar de férias, dedico um pouco mais do meu tempo.

imagem copiada do ótimo http://www.fazendomedia.com

Os mortos anônimos

Enquanto Cabral discutia com Joban sobre a possibilidade de tropas federais policiarem o Rio permanentemente, recebi a última carta de leitor do dia. Massageou o meu ego (por ordem médica, não sai de casa nem recebe visitas), dizendo que minha coluna lhe dá a sensação de que alguém está fazendo alguma coisa. Pediu que escondesse sua identidade e endereço e que se isso fosse ferir os meus princípios, não publicasse nada. Como o leitor me mandou o número de seu telefone, não tive dificuldades em descobrir que ele existe mesmo.

Ele mora com a companheira num dos muitos acessos para a favela ###, cujo nome não publico, pois o leitor correria risco de vida. Há muitos furos de balas nas paredes de sua casa e, quando é dia de tiroteio, o casal dorme no chão do quarto dos fundos. Eles sabem de antemão o que vai acontecer porque, minutos antes, os bandidos se exibem com motos e carros roubados. Os garotos que são seguranças param na última barreira de trilhos verticais antes do asfalto. É quando chega o chefe da vez, sempre com grossos colares e pulseiras de ouro. A guerra começa assim que um olheiro informa ao chefe a rua pela qual os policiais estão subindo.

Os moradores têm medo dos bandidos, mas têm mais medo da polícia, que invade casas e barraco a qualquer hora do dia, dando tiros a esmo. Os bandidos também pouco se importam se matam uma pessoa inocente que nada tem a ver com esse ritual de confronto. Eis o que dizem os moradores: "A polícia não quer acabar com os bandidos porque também lucra com o tráfico".

Duas semanas atrás, numa sexta-feira, o caveirão teria aparecido na favela para receber o "seu" e não atrapalhar o baile funk. Deram alguns tiros para o ar, a fim de mostrar serviço, se exibir e amedrontar os moradores, e foram embora. Poucos minutos depois chegaram os ônibus lotados de passageiros de outros morros. Alguns mais graduados receberam drogas, a título promocional.

Segundo dizem, os ônibus são cedidos em troca de favores sexuais de algumas mulheres para os donos das frotas. A polícia, por sua vez, não inibe sua subida e assim colabora com a capitalização do tráfico, a compra de mais cocaína, maconha e armas, naturalmente. A coisa piora nas operações maiores da Força Nacional. Quando isso acontece, basta ver a expressão nos rostos dos adultos e, principalmente, das crianças, para entender o que é terror.

O resultado disso tudo - diz o leitor - é que o tráfico está onde sempre esteve. A presença da Força Nacional fez com que os bandidos acalmassem um pouco, mas continuam tendo, como sempre, total controle sobre o território. Nos acessos para o morro ficam, de dia, os soldados da Força Nacional e, à noite, os da Polícia Militar, os irmãos pobres.

Revistas ocorrem de vez em quando, mas há sempre um soldado para informar antecipadamente os bandidos, e as operações geralmente não têm sucesso. Sucesso têm as balas perdidas. A verdade é que existem tantos acessos não vigiados que quem quer levar armas ou drogas para dentro da favela jamais será incomodado.

Diz o meu leitor que, no penúltimo sábado, os policiais desconfiaram de um motoqueiro que podia ou não estar transportando muamba. Ele resolveu fazer o que todo mundo faz quando é chamado pela polícia: fugiu. O caveirão desceu com os soldados atirando a esmo. Quando o carro blindado teve de parar na barreira para deslocar o trilho que impede o trânsito, o motoqueiro, inocente ou culpado, conseguiu escapar. Quem não escapou foi uma dona-de-casa, dona Sandra, que abriu a porta da sua moradia (Rua Canitar, 585, em Inhaúma, e estou colocando o endereço com a permissão do leitor) no momento errado e recebeu um tiro de fuzil no peito.

Não, leitor, não saiu nenhuma nota na imprensa, o que reforça a sensação de que ninguém liga para quem mora no morro. Quando acontece um acidente aéreo, temos a oportunidade de ver o descaso para com o ser humano. Este descaso está presente nas favelas do Rio diariamente, onde se produzem cadáveres anônimos que nem entram nas estatísticas oficiais.

Especificamente, a polícia matou dona Sandra. Continuou a perseguir a moto, mas foi parada por uma parede de concreto atrás da qual estavam os bandidos, que revidaram com suas armas. O caveirão, com os vidros da frente estilhaçados, teve de dar marcha à ré, ocasião em que foi obrigado a levar dona Sandra, que sangrava muito, para o hospital. Ela morreu no mesmo dia.

O leitor termina sua carta dizendo que não tem nenhuma simpatia por bandidos, mas que vê o soldado da polícia e o soldado do tráfico como peças de um mesmo jogo de xadrez: os chefes de ambos os lados, egos inflados, lutando pelo poder.

Acabei de ler a carta do leitor ### e fiquei com medo de pensar no futuro.

Escreva para o Fausto: faustowolff@terra.com.br

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Dança do Siri contra a Rede Globo

Rapaz, eu precisava comentar isto...

Fiéis seguidores do casal pilantra que manda na Igreja Renascer fazem a dança do siri para impedir que a Rede Globo filme os canalhas.

HAHAHAHA.

No intervalo do julgamento, na hora do almoço, os fiéis cercaram o casal e fizeram a dança do siri. Dessa forma, conseguiram impedir que a Globo conseguisse imagens dos salafrários.

Leia mais na notícia a seguir:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u321070.shtml

Para quem não sabe, a dança do Siri é uma invenção do pessoal do Pânico da RedeTV e tem aparecido em inserções do jornalismo na TV Globo.
Ainda não sabe? Ah, procura no Google. Lá tu encontra a explicação

Abraços!

Renan e a boiada!

Odeio aquele clichê que diz, por exemplo, "o brasileiro é um povo feliz" ou "o brasileiro faz piada com tudo". Não gosto e rejeito. Mas...

...de fato, aqui acontece cada coisa!

Esta foto já tem alguns meses, mas vale a pena recordar, pois a polêmica está de volta no Senado e Renan cai já já.

Todo mundo conheçe a história da jornalista que tem um filho com o político... pois bem, eis a faixa que uma atleta carregou, em tom de galhofa, durante uma maratona em Brasília (ou qualquer outra capital).


Bom, agora deixa eu voltar a estudar dor...

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Tlinta e Tinco!

Vídeo ganhador do animamundiweb 2006 nas categorias de júri popular e júri profissional

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

"Os poderosos podem ser sádicos mas não masoquistas"

Posto um vídeo do Eduardo Galeano. Muito bom.

Pensei em dois títulos para esta postagem: primeiro, o que ficou. Ou entao: "mijam em nós e os jornais dizem que é chuva".
Na realidade são duas passagens da fala do Galeano e se aplicam muito bem.

Quanto ao Galeano, ele é o autor de um dos primeiros livros sobre política que li: As Veias Abertas da América Latina. O livro é genial e é leitura obrigatória para qualquer compreensão da situação em nosso continente. Recomendadíssimo para quem ainda não leu.

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Gilberto Gil: um comunicador!

Uma das coisas que me fazem rir bastante é ver o nosso ministro Gilberto Gil falar.
Gil, pra mim, é a pessoa que tem a maior capacidade do planeta de falar tanta coisa e não comunicar absolutamente nada! Figuraça!

Aos que ainda não atentaram (não necessariamente todos hão de concordar), peço que prestem um pouco mais de atenção numa próxima entrevista ou 'canjinha' do nosso ministro.

Abaixo um vídeo que encontrei. Uma pequena montagem, mas que pra mim representa bem o artista em questão

Abraços

sábado, 4 de agosto de 2007

Noel Rosa

Para relaxar, samba legal!
A "Orquestra Imperial" cantando Noel Rosa! Ficou muito bom.



Visto no excelente sítio http://umquetenha.blogspot.com