terça-feira, 8 de maio de 2007

Péssimo, Eduardo, péssimo!

O Governo de Eduardo Campos anunciou ontem a nomeação do coronel Luís Meira para a Diretoria Geral de Operações da PM. Que triste notícia!

Para quem não se lembra, o coronel Meira comandava o Batalhão de Choque no final de 2005, na época dos protestos contra o aumento das passagens de ônibus. Ele foi o responsável direto pela extrema violência utilizada contra os manifestantes, em sua grande parte, militantes de movimentos sociais e estudantes.

Hoje, dezesseis entidades, capitaneadas pelo MNDH - Movimento Nacional dos Direitos Humanos - lançaram uma carta em protesto a esta medida adotada pelo Governo Estadual.

Abaixo, segue a nota:

Não a Meira - violência não se combate com violência.

Foi com indignação e surpresa que o Movimento Nacional de Direitos Humanos e demais entidades da sociedade civil abaixo assinadas receberam a informação de que o coronel Luís Meira foi nomeado para assumir o comando da Diretoria Geral de Operações da Polícia Militar de Pernambuco.
Como é de conhecimento de toda a população, o Cel. Meira ganhou notoriedade por, nos últimos anos, à frente do Batalhão de Choque, ter sido protagonista de diversos atos de abuso de violência seja contra estudantes, agricultores, demais movimentos sociais e inclusive parlamentares.
Tais atos podem ser catalogados a partir de informações abundantes nos arquivos da imprensa pernambucana. Por mais de uma vez, o Cel. Meira foi fotografado enquanto esguichava spray de pimenta nos olhos de pessoas já algemadas ou dando chaves-de-braço em estudantes que protestavam contra o aumento da passagem de ônibus.
Algumas vezes nos últimos anos, entidades da sociedade civil e mesmo pessoas que hoje integram este governo posicionaram-se publicamente a favor da retirada deste cidadão de cargos de comando na PM. Em contrapartida, pudemos acompanhar sua promoção, no apagar das luzes do governo anterior, quando o policial acabou assumindo o cargo de coronel, atitude inclusive criticada por entidades de classe da própria Polícia Militar.
O MNDH e demais movimentos sociais têm o maior respeito pela corporação policial e acreditam na importância, entre outras medidas, do uso do poder coercitivo do estado para controlar a violência em Pernambuco. É um equívoco, porém, pensar-se que alguém com histórico de uso abusivo da violência possa ser a pessoa ideal para coibi-la.
Assim, reiteramos nossa posição de que o Coronel Meira seja afastado de qualquer cargo de comando perante a PM, tendo em vista que seu histórico de violador de direitos humanos não condiz com a perspectiva que o Governo estadual aponta na construção do Plano Estadual de Segurança Pública sob a ótica do respeito aos direitos humanos. Para o seu lugar, na Diretoria Geral de Operações da Polícia Militar, deve ser indicado um oficial que - como dizem integrantes do próprio governo Estadual - saiba que o combate à violência deve ser realizado sob a luz dos direitos humanos.

Assinam: Movimento Nacional de Direitos Humanos - MNDH, Articulação Negra de Pernambuco, Casa de Passagem, Centro de Cultura Luiz Freire - CCLF, Centro Dom Hélder Câmara de Estudos e Ação Social - Cendhec, Comissão Pastoral da Terra - CPT, Conselho Indigenista Missionário - CIMI, Dignitatis, Escola de Formação Quilombo dos Palmares - Equip, Fórum Estadual para a Reforma Urbana, Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares - GAJOP, Justiça Global, NAJUP - Núcleo de Assessoria Jurídica Popular - Direito nas Ruas /UFPE, Observatório Negro, Serviço Ecumênico de Militância nas Prisões - Sempri, Terra de Direitos"

Mais informações em:
http://jc.uol.com.br/blogs/blogdejamildo/
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails